Um pedido sincero, a todos.

00:33 Kamila Siqueira 2 Comments

03/09/2012

Por favor, não me peçam para ser forte.

Digam qualquer coisa, ofereçam qualquer conselho, mas não me digam para ser forte.
Eu já não consigo mais. E não acho que preciso.
Sinceramente, com tudo isso o que estou passando e sentindo, o mínimo a que tenho direito é de não ser forte. Pelo menos por agora, pelo menos enquanto tudo isso está acontecendo, me deixem chorar. Me deixem entrar em desespero, me descabelar, dormir tarde de tanto chorar e pensar, esquecer de lavar os cabelos, pular uma ou duas refeições, cometer erros gramaticais. Por favor, não me obriguem a fingir que estou bem.
Eu não sei porque estou passando por isso. Talvez seja apenas as consequências de algumas escolhas que fiz no passado. Não me arrependo de nenhuma delas. Eu escolhi estar lá, não importa o que acontecesse. Escolhi me dedicar. Eu escolhi ajudar o máximo que eu conseguisse, sem medir as consequências que isso poderia trazer para mim. Eu escolhi o que qualquer pessoa que diz sentir amor deveria escolher.
Então, por favor, não me condenem por chorar. Não me condenem por chorar nas ruas, na janela do ônibus ou em frente ao hospital. Eu tentei não chorar quando vocês me pediram. Quando uma mão amiga me deu um copo de água com açúcar. Quando aquela outra, que mal conheço mas que sabia de tudo, colocou meu cabelo atrás da minha orelha, olhou bem dentro dos meus olhos e perguntou: você está bem? E quando todo mundo dizia "está tudo bem agora, vai ficar tudo bem a partir de agora". Eu tentei não chorar, mas nem sempre consegui. Por favor, não me julguem.
E não me condenem pela culpa que eu sinto. Vocês, se estivesse no meu lugar, também se perguntariam todos os dias se isso aconteceu por algo que você fez. Se você poderia ter evitado. Se isso voltará a acontecer caso você escorregue em algum lugar de novo. Não me condenem por sentir que está tudo em minhas mãos.
E já que está tudo em minhas mãos, já que eu tenho tantas responsabilidades, novamente eu peço: não me peçam por força. Eu consigo carregar essas responsabilidades porque eu escolhi carregá-las. Porque é o que eu quero fazer. Mas carregar tudo isso e ainda ser forte, não sei se consigo. Então, por favor, procurem entender quando eu me desespero. Não me condenem por ser humana.
E, se eu tomar alguma decisão que não está de acordo com os seus pensamentos ou sua lógica, não me julguem. Eu faço o que meu coração diz que é melhor, por mais clichê que isso posso soar. Não foi fácil ver tudo o que vi e passar por tudo o que passei, então, ao menos que você também esteja passando por algo parecido, não julgue minhas decisões.
O pior poderia ter acontecido. Não aconteceu, eu sei. E eu sei que as coisas estão melhorando. Mas, até que tudo esteja bem, até que tudo esteja realmente bem, eu ainda quero me deixar ser frágil um pouquinho.

Obrigada por tudo.

2 Comentários:

Carol Hatsue. disse...

Ei, você escreve bem demais! Parabéns.

Tamyres Palma disse...

Não sei o que se passa contigo neste momento, mas sei que as palavras sempre refletem algo de nossa alma, mesmo que a gente tente se esconder atrás delas..

Só posso dizer que sim, seja fraca! Chore, grite, se tranque no quarto e faça com que toda a dor vá embora junto com as lágrimas que rolam. E um dia, você vai levantar, abrir a janela do quarto, trocar os lençóis, tomar banho e sair pra um dia claro de sol e ar fresco. E então tudo estará bem.